terça-feira, outubro 21, 2008

Serra do Rio do Rastro - SC



A Serra do Rio do Rastro é famosa entre todos nós motociclistas estradeiros. Rodar em tal local é uma experiência única. Tive a oportunidade de no meio do mês de outubro de 2008, fazer uma viagem aos estados do sul do Brasil, onde dentre outras localidades, rodei subindo a Serra do Rio do Rastro no sul de Santa Catarina, em dia chuvoso.
Após tal experiência, nada melhor que fazer essa matéria para que você que ainda não rodou pela Serra do Rio do Rastro, conheça sobre sua história e características.



O que é?
A Serra do Rio do Rastro é uma das serras de Santa Catarina, localizada no sul do estado. É cortada pela rodovia SC-438, onde se tem uma espetacular vista da serra. Com muitas matas e cachoeiras, é um dos cartões-postais do estado.
Localiza-se no município de Lauro Muller, a mais de 1460 metros de altitude. Um mirante localizado em seu topo proporciona uma bela visão.
O percurso da rodovia SC-438 é caracterizado por subidas íngremes e curvas fechadas, bem como pelos seus quiosques, ótimos locais para desfrutar a paz proporcionada pela natureza. A estrada, surgiu em 1870 como uma picada para mulas, que transportavam produtos desembarcados no Porto de Laguna e também onde se andava a cavalo. Nos primórdios suas pistas eram de terra, o que ocasionava muitos acidentes fatais, com cavalos e cavaleiros caindo montanha abaixo. Depois foi asfaltada, mesmo assim, requer muito cuidado, principalmente em dias de chuva.
Subindo a serra, nos primeiros quilômetros a gente fica meio "decepcionado", pois o trecho inicial é como qualquer outra serra, do meio do caminho em diante, a coisa fica "punk", com curvas cotovelos, literalmente, onde a velocidade da moto fica na casa dos 20km/h ou um pouco mais. No alto da serra temos visuais incríveis que nos faz admirar a natureza e refletirmos sobre o caminho percorrido.
Durante o percurso, tem-se lanchonete, quiosques, acostamentos para se parar a moto e tirar fotos e também um Hotel.




Como chegar na Serra do Rio do Rastro?



Você pode subir a serra, com acesso pela cidade de Lauro Muller/SC (você acessa via BR-101, entrando rumo a cidade de Gravatal, conhecida cidade thermal de Sta. Catarina, muito próximo a cidade litorânea de Laguna). Ou descê-la (mais difícil) com acesso a cidade de Bom Jardim da Serra/SC (próximo a São Joaquim/SC, a cidade com o clima mais frio do Brasil).
São 220 quilômetros de Florianópolis até Bom Jardim da Serra.



Fonte: matéria por Policarpo Jr - Rock Riders

segunda-feira, outubro 13, 2008

Dicas para viajar de moto cruzando fronteiras internacionais




Dicas para viajar de moto cruzando fronteiras internacionais
Texto por Policarpo Jr

Documentação
Quando você cruzar a fronteira para outro país, irá parar na "Aduana" e precisa estar com todos os documentos em dia e ainda outros que no Brasil você não precisa. Vamos a esses documentos:
- documento da moto em nome do condutor – caso esteja alienado, peça carta-autorização da financeira ou do responsável (isso é válido para países da América do Sul, outros continentes (América Central e do Norte, por exemplo, a moto não pode estar alienada);
- seguro Carta-Verde Mercosul – seguro emitido contra terceiros no âmbito do Mercosul, válido para o período da viagem (contatar seu corretor de preferência - tal documento é emitido por uma seguradora); - carteira de identidade;
- carteira de habilitação nacional;
- carteira de habilitação internacional (ultimamente não vem sendo exigida, mas conforme o país, consulte antes de partir para sua viagem);
- passaporte válido (normalmente os passaportes no Brasil tem validade de 5 anos, os mais antigos a validade é maior, consulte a Polícia Federal);
- para o Peru, comprovante de vacinação internacional contra febre-amarela (muitos outros países também exigem vacinação);
- cópias destes documentos e mantenha em sua bagagem em local seco e seguro (conforme o número de países que irá percorrer, leve mais cópias ainda);
- Vistos (nas Américas, são exigidos vistos para as Guianas (domínio francês), México, Estados Unidos e Canadá.
Policias e fronteiras (aduanas)
Em geral os policiais estrangeiros são muito prestativos e amáveis, verificando seus documentos rapidamente e servindo inclusive como fonte de informação bastante útil. Porém, existem casos diferentes, assim como aqui no Brasil, resolvem tirar algum proveito do motociclista, exigindo “contribuições” financeiras para liberação do viajante.
O conselho que aqui deixamos é: se a autoridade estiver mesmo querendo levar vantagem, ela vai inventar todo tipo de desculpa. Dessa forma não adianta tentar encher a bagagem com coisas que “podem vir a ser solicitadas”. Relaxe, viaje mais leve e espere acontecer para negociar.

- Desligue a moto e retire o capacete para conversar com as autoridades.
- Durante a conversa, procure encaixar algum elogio sobre o país e sobre o seu povo. - Converse sempre em voz baixa, procure não se alterar.
- Normalmente são rápidos os trâmites aduaneiros nas fronteiras internacionais. Porém, caso os trabalhos apresentem-se demorados, ou se perceba claramente a má vontade dos funcionários públicos estrangeiros, o conselho é ficar calmo e apresentar-se sempre com simpatia e compreensão. Por mais que você se irrite com a situação, releve e cumpra os procedimentos com calma.
- Nos dias em que estiverem marcadas as transposições de fronteiras, procure chegar com folga de tempo até elas, para que o prosseguimento de sua viagem não seja prejudicado.
- Se for usar outros veículos para transportar sua moto (barcos, navios ou aviões), informa-se antes sobre os trâmites e custos necessários, evitando surpresas de última hora.
- Evite trafegar em países com conflitos e guerrilhas, se mesmo assim precisar cruzá-lo, o faça com muito cuidado, prestando atenção a todos em sua volta.
- Ao sair da aduana você terá alguns documentos emitidos por eles, como por exemplo o que o autoriza a circular com a moto por aquele país. Guarde esses documentos com muito cuidado, pois serão exigidos quando da sua saída. Há multas para quem não os apresenta.
- Nos “pasos” fronteiriços você passará por dois controles: o da imigração, onde os seus documentos pessoais serão verificados; e o da aduana, onde sua moto e bagagem serão inspecionadas. Se você está levando máquinas fotográficas, filmadoras, etc., declare estes equipamentos no formulário. Evite também carregar alimentos de origem animal ou vegetal de um país para outro, pois há rígido controle sanitário, que pode ocorrer também nos limites entre as províncias e departamentos (correspondentes aos nossos Estados aqui no Brasil).
A Moto
- Escolha a moto mais apropriada para fazer sua viagem internacional, lembre-se que muitos países da América Latina, tem estradas com rípios (terra batida e pedregulhos), asfaltos esburacados (em muitos estados brasileiros de fronteiras) e por ai vai;
- Nossos países vizinhos não apresentam a mesma estrutura do Brasil quando o assunto é assistência técnica e peças de reposição para motos. Assim, faça uma grande revisão em sua motocicleta antes de viajar e teste os ajustes feitos.



- Coloque sempre relação (corrente, coroa e pinhão) novos e de marcas sabidamente resistentes. Pneus também sempre novos.
- Se a viagem foi muito longa, estude o que levar (básico) de peças sobressalentes para sua moto; - Para proteção da moto contra riscos, cubra as partes pintadas mais expostas com filmes especiais colantes, como os “papel contact”.
- É difícil encontrar postos de gasolina com ar para os pneus. Quando passar por um, não perca a chance de calibrá-los.
- Procure sempre hospedar-se em locais com garagem, ou procure um local seguro para estacionar sua moto. Dê uma revisão nas condições da moto todos os dias antes de partir para o próximo destino.
As roupas e equipamentos
- As roupas mais apropriadas para longas viagens de moto são as feitas a base de cordura e goretex. Há vários modelos a preços acessíveis, inclusive nacionais, que podem oferecer proteção contra todo tipo de clima que você encontrar no exterior. Além disso são impermeáveis, térmicas, com forros removíveis, possibilitando um ajuste conforme a temperatura do dia. Há luvas também deste mesmo material. Não pode faltar uma capa de chuva na bagagem.
- Capuz com proteção do pescoço. Capacete fechado. Recentemente adquirimos capacetes “flip-up”, que levantam toda a queixeira. Para o moto-turismo consideramos os mais apropriados pois permitem comunicação com as pessoas mais facilmente, na hora de se negociar hotéis, por exemplo, pois não há necessidade de se retirar todo o capacete por várias vezes.
Conheça a loja Moto Store, com varidade e qualidade em produtos e acessórios para motociclistas Sua resistência física e da moto
- Uma média de 400 a 600 Km diários de viagem como o ideal, porém haverá dias em que você vai facilmente ultrapassar essa Km, como pode haver dias de rodar menos que essa média. Assim, faça algumas viagens de teste aqui no Brasil.
- Substitua ou se possível descarte qualquer componente que possa comprometer o funcionamento da moto assim como a sua segurança e conforto durante a viagem.
Dinheiro
- A moeda que deve ser levada em viagens pela América do Sul é o dólar americano.
- Separe seu dinheiro em pequenos lotes e carregue-os separadamente na sua bagagem.
- Não deixe todo o seu dinheiro em um mesmo lugar e nunca o deixe no hotel.
- Troque seus dólares pela moeda local de preferência em casas de câmbio ou bancos. Não troque na rua. Aduanas costumam oferecer esse serviço ou informações a respeito.
- Se você tem conta-corrente em algum banco no Brasil, informe-se sobre a utilização do seu cartão de débito no exterior (tipo Visa Electron ou Mastercard Maestro). Está é a forma mais adequada, segura e confortável, já que permite que você vá sacando seu dinheiro conforme sua necessidade.
Pilotagem em estradas de rípio / off-road


Estrada de Ripio
Fonte: a maioria do conteúdo aqui veiculado é proveniente do excelente site pessoal do Motociclista RAUEN - www.rauenmotoviagem.com.br

quinta-feira, outubro 09, 2008



A indústria de motos vive o seu melhor momento no Brasil. A previsão é que a produção de motocicletas ultrapasse a marca de dois milhões de unidades em 2008. Com este desempenho, o Brasil alcançará a posição de quarto maior fabricante destes veículos do planeta.É neste cenário favorável que o país ganha a primeira edição do Salão da Motocicleta, evento que reunirá grandes novidades do setor entre os dias 21 e 26 de outubro, no Expo Center Norte, em São Paulo.Segundo os organizadores, Alberto Pellegrini (Megacycle) e Emerson Fittipaldi a feira reforçará a presença do Brasil no mercado mundial de motos, que conquista um número cada vez maior de aficionados e alavanca negócios em todas as áreas do segmento.Em sua primeira edição, o Salão da Motocicleta é organizado pelo bicampeão de Fórmula 1 Emerson Fittipaldi, em parceria com a Megacycle, empresa que há 15 anos realiza eventos em diversas áreas, e a Anfamoto (Associação Nacional dos Fabricantes e Atacadistas de Motopeças).Entre os expositores, estão a Suzuki, Benelli, Buell, Ducati, Harley-Davidson, MV Agusta, Malaguti, Triumph, Sundown, Michelin, Bridgestonee a Protector. A estimativa de público para a feira é de 200 mil pessoas.
INFORMAÇÕES IMPORTANTES:
Local do Evento:Expo Center NortePavilhões Vermelho, Verde e BrancoEntrada do Público: Pavilhão Vermelho - Rua José Bernardo Pinto, 333 - Vila Guilherme São Paulo SPCEP: 02055-000Horários do Salão da Motocicleta para o públicoQuarta a Sexta-Feira (22/10 a 24/10) das 13h às 21h Sábado (25/10) das 10h às 21h Domingo (26/10) das 10h às 20hINGRESSOS:O público interessado em visitar o 1º Salão da Motocicleta pode adquirir seu ingresso no site do evento (www.salaodamotocicleta.com.br/home/page.php?area=sm_s042).O valor do ingresso é de R$ 20 para adultos e R$ 13,50 para crianças de até 12 anos e os pagamentos podem ser feitos com cartão de crédito ou boleto bancário. Além do site do evento, os ingressos podem ser adquiridos no endereço eletrônico da operadora Ingressos Brasil (http://www.ingressosbrasil.com.br/). As entradas dão direito a um acesso ao evento entre os dias 22 a 26 de outubro. Idosos com mais de 65 anos, pensionistas e crianças menores de cinco anos têm entrada franca.

sexta-feira, setembro 19, 2008

domingo, agosto 17, 2008

Ingressos para São Paulo Moto Festival já estão à venda



Os ingressos para o São Paulo Moto Festival, evento que vai reunir o melhor da música e do universo das motos nos dias 5, 6 e 7 de setembro em Interlagos, já estão à venda pela internet e a compra para os três dias de festival garante descontos, além de uma promoção especial de caráter social: espectador que levar um quilo de alimento poderá pagar valor equivalente ao de meia-entrada.
Para os fãs de motos, o evento terá participação de Paul Senior, Paul Jr. e Mikey, reconhecidos pelo programa American Chopper, além do designer de motos Russell Mitchell. Na programação musical, shows com Roger Hodgson – ex-vocalista e letrista do Supertramp - e a OCC Band. Também estão confirmadas as apresentações de Titãs e Paralamas do Sucesso.
A organização do evento lançou pacote de compra antecipada com primeiro lote limitado a 10 000 ingressos e valores diferenciados: ingresso promocional na área de Arena para quem levar 1kg de alimento não perecível no dia do evento ou meia-entrada (para estudantes, idosos acima de 60 anos e professores com carteira profissional) custa R$ 90 por dia ou R$ 240 para os três dias de festival. O preço da inteira por dia é de R$ 180 e do passaporte R$ 480. O segundo lote será lançado, já com novos preços, assim que o pacote promocional for esgotado.
A campanha do ingresso promocional vale também para acesso na área Vip, que dá direito a uma série de benefícios desde a chegada, com vaga no estacionamento preferencial e circuitos para motos pela área interna do evento. Para os shows, clientes VIP têm área reservada sem cadeiras em frente ao palco, camarote ao lado do palco principal com open bar a partir das 18h com cerveja, água e refrigerante, além da oportunidade de participar da sessão de autógrafos com os integrantes da OCC, American Chopper, no dia 6.
Com o ingresso promocional — mediante a entrega de um quilo de alimento no dia do evento — ou a meia-entrada (para estudantes, idosos acima de 60 anos e professores com carteira profissional) a área Vip custa R$ 250,00 por dia ou R$ 600,00 para os três dias. O valor da entrada Vip inteira é de R$ 500 ou R$ 1 200 para o passaporte, que dá direito a uma camiseta.
Os ingressos podem ser adquiridos no site http://www.ingressorapido.com.br/ ou pelo telefone (11) 4003-1212.
Serviço:
São Paulo Moto Festival
Data: 5 e 6 de setembro das 11h às 2h 7 de setembro, das 10h às 20h
Local: Autódromo de Interlagos, São Paulo
Programação:
5/9 - sexta-feira - Banda cover - Titãs - OCC - OCC Band - Banda Internacional
6/9 – sábado - Banda cover - Paralamas do Sucesso - OCC - OCC Band - Roger Hodgson
7/9 – domingo - Banda cover - Banda nacional

quinta-feira, agosto 07, 2008

O QUE É SER TRICICLISTA ?



O que significa ser um triciclista?
Podemos qualificar um Triciclista de várias maneiras: entre elas a mais provável é a de que os triciclistas em geral são motociclistas em busca de algo mais.
É impossível falar de Triciclo sem relacionar a motocicleta. Ambos tem filosofias próximas com resultados distintos, mas nos dois você é capaz de aproveitar os quatro tempos da estrada: sol, chuva, poeira e muito Vento.
Mas o que diferencia o triciclista do motociclista? Além de ter uma roda a mais, qual a diferença entre os pilotos destes veículos?
A fama do triciclo é a de reunir o que há de melhor em uma moto e um carro: Tem a segurança, potência e dirigibilidade de um automóvel enquanto mantém o prazer e o estilo de vida das motocicletas. Há quem diga que reúne o pior também: você pode pegar chuva no meio de um trânsito daqueles.
A liberdade de estar sobre as três rodas na cidade ou na estrada, contemplando a natureza. Curtir estes momentos é o que faz a diferença.
Então o triciclista com certeza é um boa praça. Quer curtir a vida com segurança mesmo pegando trânsito igual carro. Quer estar ao redor de sua família e amigos. Anda de triciclo porquê quer sentir este prazer pelo resto de sua vida. Não vai envelhecer nunca, será sempre reconhecido por onde passa.




Muitos não entendem, acham loucura. Citamos um ditado de autor desconhecido: "Quem não compreende um sonho tampouco compreenderá uma longa explicação".
O Triciclo com mecânica hibrida de carro e moto, que vem novamente conquistando o público no Brasil é cada vez mais presente nos encontros e ruas das cidades, despertando a atenção e a curiosidade das pessoas por onde passa.
O primeiro registro encontrado com o uso da palavra é datado de 1828, referente a uma carruagem de três rodas que era tracionada ou puxada por cavalos. O termo americano "Trike" está em uso desde 1883.
No Brasil, a sua origem é atribuida aos anos 60, onde começou a ser construído em uma fábrica conhecida como "Renha" onde se iniciou sua utilização por motociclistas que se tornaram então, triciclistas.
Há varios tipos de Triciclos no Brasil, modelos com chassis próprio ou tubulares com aproveitamento da suspensão volkswagen.



Ser um Triciclista é ter um espírito aventureiro sem arriscar as coisas boas da vida. A idade para esses prazeres não depende dos anos, mas sim do temperamento de cada um. Umas pessoas já nascem velhas, outras jamais envelhecem.
O triciclista sabe como envelhecer: O segredo é passar os anos rodando pelo mundo com a compania de sua família e amigos.

quinta-feira, julho 17, 2008

Reportagem Revista Revide






Não devemos explicar as pessoas porque andamos de Triciclo.

Para os que compreendem, nenhuma explicação é necessária.

Para os que não compreendem, nenhuma explicação é possivel.

Triciclo Reportagem Jornal A Cidade



Na foto Dada Ávila e Beto Antonelli
“Os tri ciclistas são como os motociclistas, só gostam de ter uma roda a mais”.
“É um veículoextremamente seguro, confortável e prazeroso de dirigir”, diz o empresário ribeirão-pretano José Adalberto de Ávila, o (Dada Ávila), membro do clube Trikers http://www.trikers.com.br/ e também fabricante dessas máquinas, Triciclos Trimar
http://www.triciclostrimar.com.br/

O grupo de Dada Ávila é formado por 23 tri ciclistas, nove deles de Ribeirão, tendo ainda o grupo da região de Campinas e a região de São Paulo. O negócio desse pessoal édesbravar as estradas pelo mundão afora. Por onde passam, não há quem não olhe.

Na estrada, a sensação de liberdade com vento no rosto, fica ainda melhor com o conforto dessestrês - rodas. Os bancos mais parecem as famosas “poltronas do papai”, tanto para o piloto como para o passageiro..."

Paisagens:As pernas vão bem posicionadas, a posição do guidão não cansa os braços e omotor responde ao menor estímulo do acelerador. “É só sentar, acelerar eaproveitar as lindas paisagens do Brasil”, diz Dada Ávila.Pelo menos uma vez por mês, o grupo se reúne para gastar os pneus rumo a mais um lugar interessante, vários deles no interior do estado de São Paulo. São Roque, Vinhedo, Penedo, Brotas, Águas de São Pedro, Serra negra, Águas de Lindóia, Campos de Jordão, são alguns desses destinos. As viagens maiores acima dos mil quilômetros rodados em direção ao sul ou ao norte o BrasilA autonomia desses brinquedos é de 300 km com um tanque de combustível, quealiás, é flex, aceitando álcool e gasolina. “Dá para viajar comtranqüilidade”, garante Dada Ávila.




Fábrica de brinquedo:A paixão de Dada pelas grandalhonas de 650 kg surgiu há cinco anos. “Eusempre andei de moto.
Só depois de algum tempo que resolvi comprar um triciclo, por entender que émais seguro”. Da paixão por dirigir, veio a vontade de fabricar. Desdeentão, junto com os amigos Antonio Carlos e Marcos César,começou a construir essas máquinas estradeiras, uma atividade que já duraquatro anos, na oficina na rua Luiz Barreto. Fabricar uma máquina dessasexige tempo e dedicação. Em média, um triciclo pode demorar até uns 3 meses para ficar pronto. Um triciclo mais simples, com motor Volkswagen 1.6 e sem muitos detalhes,fica na casa dos R$ 25 mil. Já um veículo com motor AP, com injeçãoeletrônica, varias peças cromada e acessórios, pode facilmente passar dos R$ 35 mil. Em alguns casos, a potência chega a 248 cavalos, com auxílio de turbo. Amanutenção é igual a de um carro. Para quem quer ter um triciclo, gastarmenos e, ainda por cima, ter o prazer de montar sua própria máquina, o idealé comprar um kit. Nele há bancos, pára-lamas dianteiros e traseiros, painelde instrumentos, tanques de combustível em aço inox, guidão, suporte depára-lamas traseiros e dianteiros, conjunto de amortecedor dianteiro, alista vai longe. O valor a ser desembolsado em um KIT varia entre R$ 7.500,00
a R$ 15.000,00.“Só a mão-de-obra, pintura, motorização, cromo e documentação, fica por conta do futuro tri ciclista”, diz Dadá.

sexta-feira, setembro 21, 2007

segunda-feira, agosto 06, 2007

Aguas de Lindoia, Monte Sião e Ouro Fino






Águas de Lindóia está a 180 km de São Paulo, 8 km antes da divisa com Minas Gerais, mas as paisagens são de outro mundo - principalmente do alto do Morro Pelado, de onde a vista alcança 100 km de montanhas cobertas por vegetação. Aliás, Águas de Lindóia conseguiu a façanha de dobrar sua área verde nos últimos anos. A águas minerais que dizem ter ido à Lua em 1969 continuam ótimas, mas Águas de Lindóia está de “cara nova”, como percebeu a Revista Veja São Paulo, recentemente.Águas de Lindóia ganhou os atrativos do turismo rural, descobriu formas emocionantes de envolver todo mundo nos esportes radicais e acabou reinventando a si mesma.































Antonio Carlos / Carlão Raul / Célia




Grupo Os Trikers

















O principal ramo de atividade de Monte Sião é a confecção de roupas de malhas, através de micro-empresas, e sua comercialização em alta escala; ficando a agricultura, representada pelo café e milho, em segundo plano.No passado, não muito remoto, a população se achava em mais de 80% no campo e na agricultura mista, destacadamente a lavoura de café. Era assim a base econômica do município.Hoje se dá exatamente o contrário, com a cidade super-habitada e inteiramente abraçada com sua nova fonte de renda.Atualmente existem em média 2.000 estabelecimentos, entre malharias e lojas comerciais.
Monte Sião fica a 391 km da capital do estado, em linha reta, rumo S.0. Por rodovia está a 1.100 Km de Brasília, 170 km de São Paulo, 470 km de Belo Horizonte, 100 km de Campinas, 420 Km de Juiz de Fora, 582 Km de Uberlândia, 250 Km de Varginha, 460 Km do Rio de Janeiro, 583 Km de Curitiba, 90 km de Pouso Alegre, 7 km de Águas de Lindóia, 31 km de Ouro Fino, 33 km de Socorro, 22 km de Jacutinga, 37 km de Jtapira, 33 km de Bueno Brandão. Acesso: BR-381 / MG-290 / MG-459









DadaAvila, Vinicius, Mario e Antonio C


























Ouro Fino
Com o objetivo de explorar o ouro, os bandeirantes chegaram na região em 1746, onde foi encontrado o metal precioso nos ribeirões Ouro Fino, Santa Isabel e São Paulo. Francisco Martins Lustosa foi o fundador do Arraial de São Francisco de Paula. Em 08 de março de 1749 foi fundada a Paróquia de São Francisco de Paula e em 16 de março de 1881 foi instalada a primeira Câmara Municipal..Além de dois distritos (Crisólia e São José do Mato Dentro), o município possui fora da área urbana mais 57 bairros.







Ouro Fino



















Venha conhecer este paraíso, acolhido pelas montanhas da Serra da Mantiqueira, no Sul de Minas Gerais – Ouro Fino – Terra do Menino da Porteira.

Cartão Postal da Cidade de Ouro Fino


" O menino da Porteira"
Tião Carreiro E Pardinho
(Teddy Vieira/luizinho)








Ricardo, Beto e DadaAvila



segunda-feira, junho 11, 2007

TRIKERS EM RIBEIRÃO PRETO



Recebemos entre os dias 07 a 10 de junho na cidade de Ribeirão Preto, os "TRIKERS" grupo que
nasceu da amizade e da união de pessoas que tem como um dos principais objetivos, fazer do triciclo um dos seus momentos de lazer, rodando por este imenso país repleto de belezas e aventuras a se descobrir.











O grupo foi recepcionado, pelos amigos Carlãozinho, Vinicius, Cezar, Ricardo, Beto, Chicão, DadaAvila, Ricardo Japa e João

A recepção foi a partir do pedagio de São Simão.








Rodovia Anhanguera































Os Trikers ficaram hospedados Hotel Nacional In Vilage











Patio de estacionamento do Hotel



















Quinta Feira, ao som do Clube de Esquina no Bar do Val o pessoal curtiu a noite com muita cerveja e tradicional comida no fogão de lenha.















Bar do Val









Bar do Val






















Sexta Feira dia 08/06 fomos a visinha cidade de Orlandia visitar o Museu de Tratores e Carros antigos no Cetro Hipico Agromen de propriedade do Sr. José Ribeiro de Mendonça







A Agromen Sementes inaugurou em 2001 o Museu Agromen de Máquinas Agrícolas. Seu acervo reúne exemplares de alto valor histórico, mas, sobretudo, de grande sentido emocional















para a organização e seus agricultores. Isso porque parte retrata quase que fielmente a trajetória genuinamente brasileira da empresa e danossa
agricultura.
O museu reúne mais de 300 peças, entre tratores, colheitadeiras e implementos. O local é aberto ao conhecimento, interesse e curiosidade de aficionados, estudantes, pesquisadores e da população em geral. A primeira máquina do acervo foi comprada antes mesmo de a Agromen existir como empresa. Está na família do seu fundador desde 1953: um trator Ferguson 35, fabricado no Canadá. Na verdade, esta foi a segunda unidade motriz adquirida pela família.


A primeira, um Massey Harris 33, adquirido em 1947, perdeu-se com o tempo. Mas uma similar foi encontrada, restaurada e encontra-se no Museu.
O Ferguson 35, depois de 40 anos de trabalho, em 1988, foi aposentado e reformado. Um quiosque, à época, serviu-lhe de abrigo. Durante vários anos outras máquinas foram se somando à coleção até reunir nove peças. Não passou despercebido à Agromen Sementes o grande interesse despertado nas pessoas pelos





tratores antigos. Para satisfazer este interesse, que também o da própria empresa, a Agromen criou o Museu de Máquinas Agrícolas.
De norte a sul do país, representantes, colaboradores e amigos saíram em busca de tratores, colheitadeiras, implementos e peças antigas que pudessem ser de interesse. Algumas pessoas, ao saberem da formação do museu, doaram espontaneamente máquinas ou implementos que até então guardavam com
carinho em suas propriedades. Parte do acervo
está disposta em três prédios que somam 3.000 metros quadrados. Outra parte encontra-se disposta ao ar livre, intencionalmente, em gramados ao redor do prédio principal, compondo o entorno do museu. O museu recebe visitas programadas, que devem ser agendadas na sede da Agromen Sementes, em Orlândia, pelo telefone (16) 3826-1777.



























A noite do dia 8 registro no Atelie da Pizza
















Sabado dia 09 o churrasco na Chacara do Calos Vogas, o Carlãozinho como é carinhosamente tratado pelo grupo.
Som ao vivo no repertório variado do Batata,
Churrasco no comando do amigo "Minero"








teve até quem arriscou na dança




































Foto do Grupo














Triciclos











Wilson, DadaAvila e Val















Domingo de manhã, despedida de Ribeirão Preto, o pessoal se preparando para viajar uma parte do grupo saiu ainda com destino a São Simão










Na Chacara em São Simão para despedida dos Triker um churrasco de tira gosto para esperar o almoço.












Foto do grupo que passou por São Simão














As Mulheres tambem registraram a presença






























Almoço em São Simão, antes da viagem de volta a São Paulo.